20/12/2011 Número de leitores: 673

Grão Púbis da Medusa para o grande público

Marco Aqueiva Ver Perfil

Uma vontade carnívora encurta a distância. Desejo sangue entre intrigas locais recentes e fantasmas e sonhos globalizados. A marginalidade utópica do desejo é uma fronteira instável que mais separa que une. Só separa como a polpa quando se prefere a casca. Ou um gosto de outro mundo muito próximo não fosse o fosso sob o falso. ()


Uma sombra cresce na parede ao fundo. Lenda de sólidos paparazzis viciando telespectadores e leitores numa sala de espelhos e reflexos. Ou no respaldo circular dos acessos solitários a web. O que é que há nessa margem de falso desinteresse? A grande distância esculpe semelhanças, comanda e reprime, mas a proximidade é uma experiência irreprimível se não fosse a clareza da encenação. Irônica coincidência de atores que não se conhecem. ()


Medusa. Ou seriam Medusas? Nada de si mesmo separa as serpentes da cabeça, o brilho das joias, o cetro da vulgaridade, a lenda da verdade. Um corpo em toda sua carne aberta mal sabe que termina em minhas e tuas mãos espessas de vontade e peçonha. Sanguínea razão não é apenas estímulo ao faro perfeito dos tubarões. A mandíbula nesse corpo que ainda não podemos tocar mais alimenta o sangue nas unhas: a mesma imobilidade forçada na ascese não falha na escritura utópica que pervertemos cada um a seu modo. ()


O desejo numeroso e a vontade carnívora só podem mesmo encurtar a distância. O dano irreparável na cópia da cópia é irreprimível. O corpo que se exibe tão obscenamente precisa ser reinventado. No claro-escuro das mordidas e lacerações. Alguma coisa entre os dedos. Alguma coisa entre os dedos. Agora que suas cobras estão fio por fio sendo arrancadas a dentadas de sua cabeleira a cada dia mais e menos espessa. ()


Espessa a perversão na multiplicação rarefeita da banalidade, alguma coisa desliza entre os dedos. Entre os dedos ainda há pouco indiferentes. Não apenas o cigarro aceso depois de ter sido milimetricamente apagado ao final. Veem-se na cabeça da Medusa alevinos dividindo com as serpentes a primeira dor que em muitos anos enfim se sente. ()

 

 

Marco Aqueiva