04/06/2012 Número de leitores: 1073

A cegueira da cisma - poesia brasileira contemporânea e sua crítica

Renato Rezende Ver Perfil

Era preciso que um poeta brasileiro,
Não dos maiores, porém dos mais expostos à galhofa...
C.D.A.

 

       Apesar de potente, variada e abundante, a poesia brasileira contemporânea, ou pelo menos uma parte significativa dela, carece de lugar e de trânsito social, como se não tivesse valor cultural, como se não instigasse interesse e diálogo, como se falasse de algo alheio a nós; ou seja, como se a possibilidade de sua leitura tenha se tornado opaca, insolúvel, inassimilável. Muitas e entrelaçadas podem ser as razões para isso, num país que por muito tempo demonstrou ter uma forte tradição poética:[1] as dificuldades de escoamento e circulação da produção escrita,[2] numa época de primazia da imagem;[3] o natural esgotamento das linguagens experimentais do modernismo;[4] o abandono do projeto de construção de uma identidade nacional;[5] o estabelecimento de políticas públicas para as artes alinhadas à cultura de massa e aos ditames de mercado;[6] etc. Seja como for, ao contrário do ocorrido nas artes visuais (a partir do retorno à pintura da geração 80), no cinema (com a retomada dos anos 90) e na literatura de ficção (com a temática urbana ganhando ênfase e visibilidade a partir da antologia Geração 90: manuscritos de computador, organizada por Nelson de Oliveira) – gêneros artísticos cujos exercícios críticos superaram dilemas e contradições fermentadas durante os anos de chumbo da ditadura – a poesia continua presa em cismas – ou falsos cismas – que a paralisam. É importante ressaltar, no entanto, que essa paralisia é da crítica, e não da produção poética.[7] Incapaz de compreender a poesia contemporânea, a crítica – muitas vezes exercida pelos próprios poetas,[8] instigados pela necessidade de elucidar a natureza do impasse – tem produzido dezenas de textos, mais ou menos felizes e elucidadores, na tentativa de digerir o passado para fruir o presente. Este texto, escrito por um poeta que pretende se manter fora da academia, soma-se a esse esforço. 
       
No estudo introdutório para a antologia dos poetas surgidos nos anos 1990 que organizou para a Global, Paulo Ferraz aponta, na direção contrária da percepção de um esgotamento da produção poética brasileira na segunda metade dos anos 1980, para a emergência, na década de 1990, de “novos e bons poetas nas cinco regiões do país” que já apontavam para uma variedade de dicções que superariam um antagonismo entre Concretismo e Poesia Marginal;[9] É nesse antagonismo que Marcos Siscar, em seu muito comentado artigo “A cisma da poesia brasileira”, situa a “cisma”, o nó crítico, que seria “o sintoma de um mal-estar teórico que consiste em uma indecisão quanto à natureza e à situação da poesia contemporânea”.[10] Para o poeta e professor da UNICAMP, “essa herança não é senão aquela fundada na cisma da oposição entre a poesia concretista, semiótica, tecnológica, formalista de um modo geral, e a poesia do cotidiano, a poesia que busca inspiração na língua e na cultura popular”, ou, em outras palavras, entre experiência e experimentação, cuja possível superação e síntese encontra-se, por exemplo, numa Ana Cristina Cesar.[11]
       
Talvez seja útil para a resolução desse nó notar que é um equívoco pensar a Poesia Marginal como contraponto à experimentação concretista.[12] Em seu conhecido artigo “What’s Neo in the Neo-Avant-Garde?”[13] Hal Foster compara as vanguardas históricas do início do século 20 com as novas vanguardas dos anos 1950 e 60, e procura elementos para diferenciar o retorno a uma forma antiga que promove tendências conservadoras no presente de um retorno que desafia e revisa formas estabelecidas de criação e crítica. Se a questão é válida para o próprio Concretismo, o é com ainda mais rigor para a Poesia Marginal, que busca, quase diretamente, sua fonte no modernismo de Oswald.[14] Não quero dizer que a poesia marginal não tenha trazido nada de genuinamente novo, mesmo porque práticas antigas, em novos contextos, necessariamente geram novas significações, e é possível que o campo da palavra cantada, como quer Fernanda Medeiros em sua tese,[15] seja uma contribuição relevante para a poesia brasileira, ou que suas práticas dearte-ação-pensamento carreguem de fato potência estética e política.[16]Em todo caso, a Poesia Marginal não é páreo para o Concretismo nem em termos de rigor teórico, nem historicamente, e, portanto, uma síntese entre eles não pode representar uma superação entre experiência versus experimentação. O contraponto ao Concretismo, o lado da “experiência” que se opõe a “experimentação”, foi pautado pelo Neoconcretismo.
       
Formado basicamente por artistas do Rio de Janeiro, o Neoconcretismo surgiu em reação ao que eles consideravam como um excessivo e perigoso racionalismo de seus colegas paulistas.[17] Denunciando o “objetivismo mecanicista” da poesia concreta, os neoconcretos clamavam pela integração entre arte e vida e pela valorização da dimensão existencial, subjetiva e afetiva da obra de arte. De acordo com Ronaldo Brito, em seu importante Neoconcretismo – vértice de ruptura do projeto construtivo brasileiro, “a prática da arte concreta, para excluir o idealismo clássico, acabou por se prender aos limites de um certo empirismo. Na recusa da instância do inconsciente, por exemplo, acabou vítima da racionalidade do ego e da crença no sujeito cartesiano”. Por outro lado, “o artista neoconcreto”, continua Brito, “não abordava propriamente o espaço, ele o experimentava. Dispunha-se a vivenciá-lo, atuar contra o relacionamento tradicional entre o sujeito observador e o trabalho. Tinha uma concepção não-instrumental do espaço, desejava imantá-lo, torná-lo campo de projeções e envolvimento num registro quase erótico. O desejo neoconcreto se opunha ao modo de relação vigente com a arte e ao processo de leitura estabelecido: contra a passividade, o convencionalismo, o platonismo da fruição ‘normal’, buscava tensioná-la, explodi-la em seus limites tradicionais”.[18]
       
Entre 1959 e 1962, Gullar, algumas vezes em parceira com Hélio Oiticica (como no caso do “Poema enterrado”), criou uma série de “poemas espaciais” que requeriam a participação ativa do leitor, envolvendo-o corporeamente (como não lembrar o título do seu primeiro livro: A luta corporal.) O poema “Lembra”, por exemplo, trata-se de uma placa de madeira em cujo centro repousa um cubo parcialmente embutido em uma cavidade; ao levantar o cubo, o leitor lê no fundo da cavidade a palavra “lembra”, que é novamente escondida (esquecida) no momento em que o cubo é recolocado em seu lugar. São dessa mesma época os desenhos da série Tecelares e os Ballets Neoco Cretos de Lygia Pape, além de seus vídeos, poemas, poemas-objetos e livros (como o Livro da criação, de 1959); a série Bichos, de Lygia Clark e os Parangolés de Hélio Oiticica.[19] Tais procedimentos, rompendo o espaço representacional, liberava o artista para uma atuação mais direta no campo social, abrindo caminho pioneiro para novos conceitos e práticas artísticas, que apenas floresceriam plenamente no mundo alguns anos depois. “Nessa direção”, conclui Ronaldo Brito, “o Neoconcretismo teve efeitos críticos materiais incomparavelmente mais importantes do que o Concretismo, submetido aos padrões construtivos ortodoxos. Esse, o materialismo neoconcreto, o de introduzir no circuito de arte brasileiro o conceito de intervenção crítica por meio de uma prática que forçou sempre os limites do projeto construtivo e acabou revelando a impossibilidade de sua inscrição em nossa realidade. O que os concretos e Max Bense consideravam ser o irracionalismoneoconcreto era apenas e tão-somente a margem em que ele escapava aoseu racionalismo e o colocava em xeque.”[20]
       
Em 1962 o fim do Suplemento Dominical do Jornal do Brasil marca a dissolução do grupo neoconcreto, e o advento da nefasta ditadura militar brasileira condena a maior parte dos seus membros ao silêncio ou ao exílio. No entanto, são suas práticas de intervenções críticas no espaço que abrem caminho para trabalhos conceituais de fundo político e atuação no campo da cultura de artistas do porte de um Cildo Meireles, com suasintervenções em circuitos ideológicos; um Artur Barrio, com suas Trouxas; um Antonio Manuel, com suas Urnas Quentes, e tantos outros que deram à arte visual brasileira contemporânea um papel de protagonista no cenário internacional. A poesia, infelizmente, não teve a mesma sorte. Se nas artes visuais o Neoconcretismo torna-se vitorioso e alinhado com o contemporâneo, na poesia a vitória – com trocadilho – é do time com menos imaginação. Gullar, o poeta por excelência entre os neoconcretos, diante da situação política dos anos 1960, sai em defesa do que ele acredita ser a função social da arte, aliando-se aos CPCs.[21] Entrincheirada na academia paulista, a visão moderno/concretista da poesia reina absoluta. Malgrado a louvável contribuição que faz para a poesia, a crítica e a tradução no Brasil, o projeto concretista peca por – assim como o capitalismo e o estado autoritário que ele não soube combater – estar cego para qualquer alteridade, combativamente impermeável àqueles não eleitos à sua paideia.[22]
       
Podemos compreender a ruptura entre Concretismo e Neoconcretismo como uma dobra entre Modernismo e práticas Pós-Modernistas. Considerando-se um movimento de vanguarda, o Concretismo insere-se numa linhagem modernista, ou seja, purista e progressista. Ainda que tenha mantido alguma relação com outros gêneros artísticos, especialmente as artes visuais, o Concretismo mantinha o controle sobre essas relações, cerceando-as sob seu campo teórico e aproximando-se, na prática, no máximo ao que Antonio Risério chamou de “texto intersemiótico”.[23] O Neoconcretismo, ao contrário, não admitia fronteiras nem taxonomia entre as artes. Se, como quer Jean-Luc Nancy, poesia“designa tanto uma espécie de discurso, um gênero no seio das artes, ou uma qualidade que pode apresentar-se fora dessa espécie ou desse gênero, como pode estar ausente nas obras dessa espécie ou desse gênero”[24], no pós-modernismo, mais que nunca, tal definição se explicita; o poeta, para o bem e para o mal, iguala-se ao artista, e o poema – como objeto de linguagem, mas não obrigatoriamente linguagem verbal – desloca-se dos seus suportes tradicionais. Em texto recente discuto as possíveis aproximações entre poesia e videoarte, e comento, apoiando-me nos estudos de Philadelpho Menezes, como uma visão predominantemente concretista impediu no Brasil experiências de poetas em vídeo.[25] Em suma, poetas interessados em práticas de suportes múltiplos ou de intervenções em espaços sociais – e podemos citar Lygia Pape como exemplo[26] – eram desde logo forçados a buscar exílio exclusivo no campo das artes visuais. O Concretismo não foi apenas um projeto poético, mas também um projeto crítico que, emitindo vistos e passaportes, declarava quem era ou não era poeta.[27]
       Todos nós sabemos quem foram os poetas eleitos por tal projeto crítico, e não nos é difícil notar que, em 2012, são esses mesmos critérios – apenas levemente deslocados e diluídos – que ditam as escolhas da crítica da poesia, hoje fortemente centrada nas universidades do sudeste do país. Não é minha intenção iniciar uma cruzada contra esses poetas eleitos, protegidos contra a galhofa. Pelo contrário, considero Carlito Azevedo um excelente poeta, embora ele não seja, como um dia quis Silviano Santiago, o aguardado poeta pós-moderno,[28] mas sim, desde sempre, um poeta conservador.[29] Também nutro admiração pela capacidade de Eucanaã Ferraz em esticar, como se fossem elásticas, as poéticas modernistas de Drummond, Bandeira e Cabral, e fazê-las convergir no seio do seu poema. Assim como aprecio a facilidade como Antonio Cícero e Paulo Henriques Britto, apropriando-se de uma pegada pop, talvez herdada de uma dicção vinda da Poesia Marginal, ou, talvez mais precisamente, do Tropicalismo,[30] mesclam o cotidiano e o erudito em poemas cheios de charme e inteligência. Absolutamente nada contra esses poetas, pelo contrário; a não ser quando eles, atuando como críticos, assumem um discurso igualmente herdado do passado e se pretendem proprietários da única poética admissível. Há um ponto cego na crítica. Há poetas, e para não citar a minha geração, cito a anterior, como Vicente Cecim, Leonardo Froés, Roberto Corrêa dos Santos, Afonso Henriques Neto, que estão longe de receberem a atenção que merecem. São pontos cegos, buracos negros; insolúveis; como se fossem dejetos que não tivessem nada a ver conosco.
       
É verdade que esforços louváveis estão sendo feitos. Sergio Cohn, através da revista e editora Azougue, mantém uma busca constante de diálogo sobre poesia, procurando dar voz a poetas de gerações anteriores como, além dos citados acima, Roberto Piva, Cláudio Willer e Hilda Hilst, e sistematicamente editar livros de poetas contemporâneos de vigor, mas igualmente ainda parcamente compreendidos, como Alberto Pucheu, Caio Meira e Danilo Monteiro. São vozes que merecem ser ouvidas, e Ítalo Moriconi recentemente reconheceu tal dívida de leitura ao prefaciar a antologia Inquietação-guia, que Cohn publicou reunindo poetas em torno da Azougue.[31] Em seu prefácio, Ítalo frisa o que talvez seja mais uma falsa cisma: um embate entre as revistas Azougue e Inimigo Rumor. Em minha opinião, é preciso buscar compreender a que tradições e linhagens, nesse rico e grande país que é o nosso, pertencem esses poetas de difícil escuta, e tentar aproximarmo-nos deles sem todo um aparato crítico a priori, mas com a generosa atitude de um ser sensível diante de um novo objeto de linguagem, procurando ler tais textos a partir das premissas propostas pelo autor, e atento à real experiência promovida pelo poema. O que mais esperar de um crítico?
       
Estreitar a poesia brasileira em uma cisma entre Concretismo e Poesia Marginal não é apenas um equívoco, é uma redução que comprova a cegueira da crítica para as próprias questões que levanta e que gostaria de superar.[32] Elencar poetas como Carlito Azevedo, Arnaldo Antunes, Ana Cristina César, Sebastião Uchôa Leite, Paulo Leminsky, eleitos pelo admirável poeta Marcos Siscar em sua honesta análise, é lidar com poéticas muito mais próximas entre si do que a crítica da poesia contemporânea parece supor. Pois o Concretismo fez, desde logo, para o bem e para o mal, uma aliança com o Pop;[33] e a Poesia Marginal, com sua leveza, ironia, alienação política e desbunde (como quer a superpop e adorável Heloísa Buarque de Hollanda) é um movimento Pop diluído.[34] Eu digo: Viva a Poesia Marginal! Viva a Poesia Concreta! Viva seus epígonos! Toda contribuição honesta é bem-vinda e nos enriquece. O que não podemos permitir é reduzir a vasta galáxia da poesia brasileira contemporânea a um pequeno sistema solar, de onde sentimos que não conseguimos sair, mantendo nas trevas poetas de riquezas insondáveis. A crítica da poesia precisa estar à altura de um país que se pretende plural, inclusivo e democrático. 

 



*Agradeço a leitura generosa e os comentários de Eduardo Guerreiro B. Losso, que muito contribuiu para o formato final do texto.

 




NOTAS:

[1] Historicamente, o Brasil conhece e reconhece seus poetas. Os românticos, como Castro Alves, Casimiro de Abreu e Álvares de Azevedo foram, em seu tempo e durante muitas décadas após suas mortes, presença palpável em nossa cultura, e seu legado continua vivo em nossas tradições literárias e culturais. O mesmo pode ser dito dos parnasianos, especialmente de Olavo Bilac, apelidado de “príncipe dos poetas” e figura influente na sociedade carioca na virada do século 19 para o 20. Os modernos – pelo menos os melhores entre eles – não tiveram sorte diferente. Versos de Drummond, Bandeira, Cecília Meireles, João Cabral, Vinícius de Moraes e Gullar estão “na boca do povo” e circulam no nosso dia a dia. No dia da morte de Tancredo Neves, por exemplo, a rede Globo interrompeu sua transmissão para que o poeta Ferreira Gullar lesse no ar e ao vivo um poema inédito em homenagem ao ex-(quase)-presidente. Em 1989, o poema “Canção amiga”, de Drummond, ao lado da efígie do poeta, foi impresso numa cédula de 50 cruzados e circulou durante anos. Poemas de Bandeira foram utilizados em campanhas publicitárias na televisão e no rádio. Exemplos dessa ordem são abundantes. Isso sem mencionar o importante encontro entre poesia e música na cultura brasileira, tanto pela transformação de poesia em canção (vide, por exemplo, o trabalho de Chico Buarque com Romanceiro da Inconfidência Morte e vida severina) como pela apresentação de letras de música em livro (como o belo Letra só, de Caetano Veloso), ou pela parceria entre poetas e músicos (Toquinho e Vinicius ou, mais recentemente, Antonio Cícero e Adriana Calcanhoto, etc.).

 

[2] São reveladores os depoimentos de Sérgio Cohn (poeta e editor da Azougue Editorial), Jorge Viveiros de Castro (editor da 7Letras) e Rachel Bertol (ex-editora assistente do Prosa&Verso, suplemento literário do jornal O Globo) sobre a questão. Diz Rachel sobre sua rotina diária: “A cada dia, são uns três, quatro – às vezes dez – novos livros e, como o armário sempre está cheio, resta-nos tentar organizá-los sobre a mesa de trabalho. [...] A poesia se mantém presente, mas certamente não está em posição central no giro do mercado editorial. O jornal não deixa de espelhar esta realidade, embora também não deva se eximir de querer transformá-la. [...] Estaria o livro, com suporte da expressão poética, enfrentando uma crise?” Sérgio: “Os poetas enviam seus livros para os colegas e esperam retribuição. Essa é uma das causas do estranho fenômeno de haver maior número de lançamentos que vendas de livros de poesia no Brasil. [...] Essa falta de referência [sobre os autores mais jovens] é agravada pelo fato de ser sabido que os jovens poetas costumam financiar seus próprios livros. Como confiar na qualidade de uma edição que não foi, pelo menos a priori, uma aposta sincera da editora? [...] Com as edições já previamente pagas, e muitas vezes lucrativas, as editoras não precisam se esforçar para inseri-las no mercado e na mídia". Jorge: “Em dez anos de trabalho, perdi aconta de quantos livros de poesia foram editados na 7Letras. Muitos deles em tiragens mínimas, de no máximo 200 exemplares – os que tiveram tiragens mais “comerciais” abarrotam até hoje as prateleiras da falta de espaço do escritório. Alguns mofaram com a umidade do Jardim Botânico, outros se estragaram viajando pelo Brasil, em consignação. [...] Semanalmente recebo pelo menos quatro ou cinco novos originais de poesia, e mais outros tantos poetas em contatos telefônicos, explicando o valor de sua obra. [...] Muitas vezes, o livreiro não quer um exemplar nem sob consignação.” BERTOL, Rachel. “Não existe poesia best-seller”, COHN, Sérgio. “Os dois lados da moeda sem a moeda”, VIVEIROS DE CASTRO, Jorge. “Esse negócio da poesia”. In: PUCHEU, Alberto (ed.) Terceira Margem. “Poesia brasileira e seus entornos interventivos”. Revista do Programa de Pós-Graduação em Ciência daLiteratura, UFRJ, ano VIII, n. 11, 2004.

[3] Em “Rumo a um mais novo Laocoonte”, publicado em 1940, Clement Greenberg afirma que quando porventura se confere a uma arte o papel dominante, esta se torna o protótipo de toda arte: as outras tentam se despojar de suas próprias características e imitar-lhe os efeitos. A arte dominante, por sua vez, tenta ela própria absorver as funções das demais”. (GREENBERG, Clement. “Rumo a mais um novo Laocoonte”. In: Ferreira, Glória e Cotrim de Mello, Cecília. Clement Greenberg e o debate crítico. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1997.) Ora, se há uma arte dominante hoje, ela se situa, sem dúvida, no reino das imagens visuais.

[4] O poeta Ricardo Domeneck, por exemplo, aponta algumas tendências difundidas pelo influente movimento defendido pelo grupo Noigrandes nos anos 1950 como um dos principais fatores da alienação contemporânea entre público e poesia no Brasil, e propõe algumas saídas. DOMENECK, Ricardo. “Ideologia da percepção ou algumas considerações sobre a poesia contemporânea no Brasil”. In: Inimigo Rumor n. 18, 2o semestre de 2005/ 1o semestre de 2006. Outro artigo de interesse que aborda a herança concretista sob o ângulo de tal alienação é “Poesia e memória”, de Paulo Henriques Britto (In: PEDROSA, Célia (org.) Mais poesia hojeRio de Janeiro: 7 Letras, 2000).

[5] Apenas para citar exemplos, os maiores monumentos literários modernistas, tanto na poesia quanto na prosa – os que alcançaram a maior repercussão de público e de crítica – lidam exatamente com a questão da nacionalidade: Macunaína eGrande Sertão: Veredas estão ao lado de Romanceiro da InconfidênciaMorte e vida severina e o Poema sujo de Ferreira Gullar (talvez o último grande poeta desta tradição). A própria obra de nosso poeta maior, Carlos Drummond de Andrade, em grande parte reflete a difícil passagem de um país rural e agrário para um urbano e industrial. A poesia contemporânea, no entanto, não está centrada nem em questões de metalinguagem (viés concretista), nem em questões de identidade nacional (viés modernista). Como contraponto às artes visuais, por exemplo, ocrítico e curador paulista Teixeira Coelho levanta a hipótese de que elas (as artes visuais brasileiras) só ganharam terreno e prestígio no circuito internacional da arte contemporânea depois de terem desistido do conceito de identidade, de brasilidade, em suma, depois de terem aberto mão do projeto nacional do modernismo. COELHO, Teixeira. “A contemporaneidade comum”. Revista Bravo!, junho de 2007

[6] Chacal, um dos poetas dirigentes do CEP 20000, costuma dizer que todo o projeto do CEP (patrocinado pela prefeitura do Rio desde 1990), que há 20 anos vem difundindo, promovendo e democratizando a criação poética no Rio de Janeiro, custou menos do que um curtametragem de mercado. Caríssimos produtos culturais de massa, como o cinema, grandes exposições de artes e shows de música são patrocinados por estatais via lei Rouanet e outras, enquanto outras formas de criação são sistematicamente mantidas fora da equação.

[7] Evidentemente, o título desse meu ensaio, como ficará explícito logo a seguir, faz referência ao influente ensaio de Marcos Siscar, “A cisma da poesia brasileira”, publicado em 2005. Em uma bela entrevista concedida a Masé Lemos alguns anos mais tarde, em 2011, Siscar arrisca definir “cisma” por “aquilo que, na poesia, designa algo mais ou algo menos do que exaltação ou lassitude (nesse sentido da fadiga, da paixão acrítica)”. Seja como for, o que eu entendo como “cegueira da cisma” é a percepção de que, de qualquer forma, a cisma colocada por Siscar condiciona a leitura crítica do presente, reproduzindo o erro daqueles que limitam astendências anteriores aos anos 1980 entre concretos e marginais. Na verdade, esse ensaio dirige-se menos a Siscar do que à posição dessa crítica estabelecida, cujo erro ele compartilha. 
LEMOS, Masé. “Entrevista com Marcos Siscar por Masé Lemos” Alea: Estudos Neolatinosvol.13 no.1 Rio de Janeiro Jan./June 2011. http://dx.doi.org/10.1590/S1517-106X2011000100010

[8] O legítimo refúgio social que muitos poetas contemporâneos encontram no exercício da profissão acadêmica não deixa de ser algo a ser estudado com mais profundidade em termos das conseqüências tanto potencializadoras como empobrecedoras do íntimo convívio entre produção e crítica ou, na mesma pessoa, entre o poeta e o teórico. É de se esperar, nesse contexto, um gosto maior por uma ideia de poesia como “aventura intelectual”, e talvez isso ajude a explicar, ao menos em parte, a injustificável exclusão na atual formação processual de um cânone de linhagens poéticas potentes que escapam a esse ponto de vista.

[9] FERRAZ, Paulo (org). Roteiro da poesia brasileira – anos 90. São Paulo: Global, 2011.

[10] SISCAR, Marcos. “A cisma da poesia brasileira”, Revista Sibila, ano 5, n. 8-9, 2005.

[11] A meu ver só seria possível aceitar algum lugar deste tipo para a poesia de Ana Cristina César se formos capazes de reconhecer que ela não se enquadra nas fileiras da Poesia Marginal e identificar em sua poesia possíveis traços de outras tradições poéticas brasileiras; seja lírica, surrealista ou mesmo aquela aberta pelo Neoconcretismo.

[12] Como todo movimento de vanguarda, o concretismo se esgota, mas justamente porque teve êxito no seu papel histórico de expandir o leque das possibilidades materiais e simbólicas do poema. O que fica, no seu lugar, é o experimentalismo, sempre possível e bem-vindo. A partir do concretismo, novas formas e novos suportes para a poesia continuaram sendo explorados no Brasil, talvez de uma maneira pouco difundida, pouco visível e pouco discutida, ou seja, periférica em relação ao mainstream: poesia sonora, vídeo poesia, poesia visual,computer poetry, poesia digital, etc. De acordo com Antonio Cícero, num ensaio definitivo sobre as vanguardas, “Se os caminhos da vanguarda histórica foram finitos, mas têm alcance universal, os caminhos do experimentalismo são infinitos, mas têm alcance particular. A rigor, ele não deve, portanto, ser chamado de vanguarda.” CICERO, Antonio. “Poesia e paisagens urbanas”. In: Finalidades sem fim. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.

[13] FOSTER, Hal. In: BUSKIRK, Martha e NIXON, Mignon, (org) The Duchamp Effect, MIT Press and October Magazine: Cambridge MA e Londres, 1996.

[14] Em depoimento para Sergio Cohn, Chacal diz: “Foi o Charles que trouxe um livro que seria um grande marco na minha vida, que era o volume do Oswald de Andrade daquela coleção da Agir, ‘Nossos Clássicos’. Era um livro pequeno, com apresentação do Haroldo de Campos, e trazia os manifestos, alguns poemas, além de trechos de Serafim Ponto Grande e do MiramarAquele livro me fascinou, eu achei aquele mundo ali maravilhoso, porque ao mesmo tempo em que havia toda uma postura de contestação através dos manifestos, tinha um humor e uma irreverência muito grandes nos poemas e nos textos em prosa. Eu fiquei sorvendo aquele livrodurante um bom tempo, lendo e relendo...” COHN, Sergio (org) Nuvem cigana – poesia & delírio no Rio dos anos 70. Rio de Janeiro: Azougue, 2007.

[15] MEDEIROS, Fernanda. Chacal por Fernanda Medeiros. Coleção Ciranda da Poesia. Rio de Janeiro: EDUERJ, 2010.

[16] Em Guilherme Zarvos por Renato Rezende (Rio de Janeiro: EDUERJ, 2010), traço, ainda que superficialmente, algums relações entre poesia e política. As raízes da atuação política que enxergo em Zarvos e no projeto CEP 20.000 talvez possam ser de alguma forma relacionadas às práticas dos poetas marginais do anos 1970.

[17] No Manifesto Neoconcreto, redigido por Ferreira Gullar e assinado por Lygia Clark, Amilcar de Castro, Franz Weissman, Reynaldo Jardim e Lygia Pape, originalmente publicado no Jornal do Brasil no dia 22 de março de 1959, lê-se: “Os poetas concretos racionalistas também puseram como ideal de sua arte a imitação da máquina. Também para eles o espaço e o tempo não são mais que relações exteriores entre palavras-objeto. Ora, se assim é, a página se reduz a um espaço gráfico e a palavra a um elemento desse espaço. Como na pintura, o visual se reduz ao ótico e o poema não ultrapassa a dimensão gráfica. A poesia neo-concreta rejeita tais noções espúrias e, fiel à natureza mesma da linguagem, afirma o poema como ser temporal. No tempo e não no espaço a palavra desdobra a sua complexa natureza significativa. A página na poesia neoconcreta é a espacialização do tempo verbal: é pausa, silêncio, tempo. Não se trata, evidentemente, de voltar ao conceito de tempo da poesia discursiva, porque enquanto nesta a linguagem flui em sucessão na poesia neoconcreta a linguagem se abre em duração”.
In: GULLAR, Ferreira. Experiência neoconcreta. São Paulo: Cosac Naify, 2007. A primeira Exposição Neoconcreta acontece nesse mesmo mês (1959) no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro. Em 1961, ano em que o grupo se dissolveu, ela acontece no Museu de Arte de São Paulo. Os dois grupos (Concretos e Neoconcretos) se reuniram alguns anos depois por iniciativa de Hélio Oiticica numa exposição intitulada Nova Objetividade Brasileira, no MAM/RJ em 1967.

[18] BRITO, Ronaldo. Neoconcretismo – vértice e ruptura do projeto construtivo brasileiro. São Paulo: Cosac & Naify, 1999.

[19] Os livros-poemas, poemas-objetos e livros espaciais dos neoconcretos influenciaram o que nas décadas seguintes veio a ser chamado de “livros de artista”. Um potente poeta contemporâneo que dialoga com essa tradição é o também ensaísta Roberto Corrêa dos Santos, autor de livros de teórico-artista: “obras ligadas diretamente ao conceito de ficção e de plasticidade e que contêm, a mais, forte sentido teórico” (CORRÊA DOS SANTOS, Roberto, REZENDE, Renato. No contemporâneo: arte e escritura expandidas. Rio de Janeiro: Faperj/Circuito, 2011).

[20] BRITO, Ronaldo. Neoconcretismo – vértice e ruptura do projeto construtivo brasileiro. São 
Paulo: Cosac & Naify, 1999.

[21] Apesar de ter sido um dos principais teóricos do Neoconcretismo, Gullar, ao contrário de seu mestre Mário Pedrosa, que via na arte pós-moderna um “exercício experimental da liberdade”, não pode perceber o potencial político de tais práticas, e fez a opção pessoal da militância ortodoxa. Tal postura indica um desejo de retorno à ordem, já identificável inclusive em alguns dos seus mais importantes ensaios neoconcretos, como a Teoria do não-objetoPermanecendo sempre um poeta de primeira grandeza, Gullar, no entanto, rompe com a arte contemporânea e assume uma postura reacionária.

[22] A poesia concreta, segundo Philadelpho Menezes, estava “intimamente associada ao movimento de boom desenvolvimentista que levanta o país nos anos 50, simbolizado exemplarmente pelo plano de criação de Brasília, uma nova cidade idealizada como centro do poder, matematicamente situada no centro geográfico do país.” MENEZES, Philadelpho. A crise do passado: modernidade, vanguarda, metamodernidade. São Paulo: Experimento, 1994.

[23] “À falta de expressão melhor, pode-se chamar ‘texto intersemiótico’ o poema que não se contenta com a permanência nos domínios incontestáveis da semiótica verbal. Ao apelar para outros códigos, ele se situa numa zona de fronteira”. RISÉRIO, Antonio. Ensaio sobre o texto poético em contexto digital. Salvador: Fundação Casa de Jorge Amado; COPENE, 1998.

[24] NANCY, Jean-Luc. Resistência da poesia. Lisboa: Vendaval, 2005.

[25] REZENDE, Renato. “Poesia e video-artes: algumas aproximações”. Revista Z Cultural, ano VII, n 2. http://revistazcultural.pacc.ufrj.br/poesia-e-video-arte-%E2%80%93-algumasaproximacoes-de-renato-rezende/

[26] Recentemente, a exposição retrospectiva de Lygia Pape, “Espaço Imantado”, originalmente montada no Museo Reina Sofía, em Madrid, estabeleceu a artista brasileira como uma pioneira do Minimalismo. No catálogo da exposição estão reproduzidos alguns de seus poemas strictu sensu, publicados no Suplemento Dominical do Jornal do Brasil. Lygia Pape – Espaço Imantado. Catálogo da exposição do mesmo nome. São Paulo: Pinacoteca do Estado, 2012.

[27] Enquanto resgatava alguns interessantes poetas que poderiam enriquecer sua tradição, como Souzândrade e Qorpo Santo, os concretistas barravam outras linhagens poéticas. Esse foi o caso, por exemplo, do Surrealismo, que existiu entre nós em poetas como Murilo Mendes, Jorge de Lima e Adalgisa Nery. A linha mestra do Surrealismo poderia oferecer instrumental crítico, não para rotular e reduzir, mas para compreender e afirmar a singularidade de poetas contemporâneos como Roberto Piva, Cláudio Willer, Manoel de Barros, Floriano Martins e, entre os mais jovens, Rodrigo Petrônio e Augusto de Guimaraens Cavalcanti.

[28] “Com Sublunar, Carlito Azevedo afirma-se como o aguardado poeta pós-cabralino. A nossa mais legítima voz pós-moderna”. SANTIAGO, Silviano. As ilusões perdidas da poesia”Jornal do Brasil. Caderno Idéias, 15/12/2001.

[29] Não há nenhum sentido pejorativo no uso da palavra “conservador”. Não criemos novas falsas cismas entre supostos conservadores e “contemporâneos”. Conservador aqui significa fiel à uma tradição, que no caso de Carlito é amainstream. De acordo com o próprio poeta, citado por Iumna Maria Simon: “Eu sou absolutamente tradicional. Até os anos 50, com as vanguardas, com a ideia de poesia concreta, existia a ideia de que era legal romper com a tradição. [...] Acho mais ousado estar dentro da tradição do que tentar criar do lado de fora. É mais ousado quem tenta dialogar com uma tradição enorme, pois terá que se medir comgrandes criadores. [...] Gosto muito de saber que tenho uma família no tempo e no espaço, com a qual dialogo constantemente... Sou herdeiro do concretismo como sou do modernismo, da poesia marginal e do surrealismo, pois, tendo vindo depois deles, não ignorei o legado de nenhum.” Para a autora, o poeta apresenta “como ousado justamente aquele que não corre riscos”. SIMON, Iumna Maria. “O que fizeram com a poesia brasileira”. Revista Piauí, n. 61 outubro 2011.

[30] Com os músicos Caetano Veloso e Gilberto Gil como figuras de ponta, o Tropicalismo inspirou-se nas idéias do Manifesto Antropófago de Oswald de Andrade e disseminou-se pela sociedade, incluindo artistas como Hélio Oiticica, cuja obraTropicália (exposta no MAM/RJ em 1965) deu o nome ao movimento, e José Celso Martinez Correia, diretor do Teatro Oficina, que encenou nova montagem de O Rei da Vela de Oswald de Andrade em 1967. Referindo-se a este ano – 1967 – Caetano Veloso escreve: “Eu que, a essa altura, conhecia pouco de Mário e nada de Oswald, não poderia imaginar que este último seria o ponto de união entre os tropicalistas e seus mais antagônicos admiradores”. VELOSO, Caetano. Verdade Tropical, São Paulo: Companhia das Letras, 1997.

[31] COHN. Sergio (org). Inquietação-guia – 15 poetas em torno da Azougue. Rio de Janeiro: Azougue, 2009.

[32] Que fique claro que eu não pretendo neste texto deslocar uma suposta cisma entre concretos e marginais para ressuscitar uma velha cisma entre concretos e neoconcretos. Pelo contrário, o meu desejo é afirmar uma superação das cismas, e uma abertura dos leques de possibilidades, sem a necessidade de afirmação de um único caminho para a poesia, ou de criar confrontos onde eles não precisam existir. Tal atitude afirmativa de minha parte em direção a uma abertura de leituras e superação das estratégias de guerrilha entre facções poéticas vem de longa data, e pode ser percebida, por exemplo, nas resenhas de poesia publicadas no cadernoProsa & Verso do jornal O Globo entre 2004 e 2008.

[33] Vide a fecunda parceria entre o Concretismo e o Tropicalismo, e a meritosa e pioneira defesa crítica desse movimento feita por Augusto dos Campos em Balanço da bossa (1968).

[34] O movimento Pop, indubitavelmente pelo menos na América Latina, criou obrasirreverentes e com conteúdos e práticas explicitamente políticos e contestatórios. Vide, por exemplo, o Grupo Rex, que produziu em São Paulo durante os anos 1960 e, de certo modo, o próprio Tropicalismo. Não creio que podemos afirmar, no entanto, que a Poesia Marginal, que herdou alguma dessa irreverência e que floresceu nos anos 1970, tenha sido um movimento particularmente engajado ou consciente da situação política do país.

 

Renato Rezende